Curso de costuras para iniciantes - Moda Casa (Belo Horizonte) Para saber mais acesse na janelinha à direita

28 de agosto de 2016

Seis Mac Lanches (e uma esposa feliz!)

Hamburguer feito em casa

A Janaina Depiné - minha amiga e ex aluna - postou em seu blog o "Mc Mama: o dia da família feliz". Ela cria tradições, como por exemplo, cada dia da semana estipula um cardápio. Mas o hamburguer que faz é uma vez por mês. No passado eu adotava uma rotina parecida por ser mais prático. No domingo eu planejava o cardápio da semana. Na segunda, depois que deixava minhas filhas no colégio, passava no supermercado e comprava tudo que estava na lista. E ia fazendo os pratos, de acordo com o cardápio. Hoje tenho uma ajudante e, por conta do meu trabalho, acabo deixando ela encarregada de preparar as refeições, com explicações que dou logo pela manhã, antes da primeira aluna chegar. Mas nos finais de semana eu mesma cozinho porque eu gosto, pois poderia pedir para ela deixar tudo adiantado.

Sexta-feira, inspirada no cardápio da família Depiné,  preparei hamburguer para a minha família "lanchar", como diz os mineiros.

Usei 350grs de carne moída.  Misturei um pacotinho de creme de cebola para dar liga poque não tinha chia e nem linhaça. E só.

Amassei tudo, abri a mistura com o rolo de macarrão, deixando a "massa" não muito grossa, pois queria moldar 8 hamburguers. Para moldá-los usei a boca de uma xícara de chá. Deixei a bancada enfarinhada para não grudar.
 Embalei com papel filme e levei ao freezer por uma hora mais ou menos.
Enquanto isso fiz pão. A receita, muito rápida e prática, eu já passei Aqui, mas você poderá comprar pão de hamburguer. Fiz 8 pães:
Enquanto assava os pães fiz uma mistura de maionese, mostarda e catchup. Cortei 2 tomates em rodelas, lavei algumas folhas de alface e separei 16 fatias de mussarela.
Os pães já estavam quase prontos. Liguei o George Foreman, coloquei um fio de azeite e os hamburguers um do lado do outro. Não coloquei os 8. Guardei 2 embalados no freezer.
A vantagem de usar o gril é a rapidez e sem sujeira. Nem deu fumaça porque não havia gordura.
Viram que beleza?
 Eu comi um lanche. A filha 2 e o marido, guloso, comeu tudo...
 ... e lavou os 3 pratinhos apenas, já que na grelha foi só passar um papel toalha. Essa foi a condição que ficou quando retirei os hamburguers.
E a condição das minhas unhas, que nem parece que fui para a cozinha!
Porque é sexta-feira e eu resolvi me cuidar mais. 

25 de agosto de 2016

Jantarzinho do dia dos pais

Por uma vida mais prática e feliz, procuro organizar minha rotina de modo que, possa ter mais tempo para o descanso, o lazer, o prazer de ler um livro, ver um filme... ou simplesmente não fazer nada. Apenas existir.
E quando finjo que preciso de ajuda para mostrar às filhas que elas devem participar, peço: "vamos preparar um jantarzinho para o papai? "
Fizemos batatas no forno que ele adora. Depois que retirei do forno levei à mesa em tigelinhas de porcelana
Patê de catupury com alho, torradas, queijos e vinho...
Montamos um prato de frios. Apenas transferi uma bandeja de frios já fatiados, comprados no supermercado. Não sirvo nada na embalagem, mesmo quando são para os de casa. São gestos que procuro ensinar às minhas filhas como sinal de respeito a quem estamos servindo. 
 A filha caçula fez torta de morangos, com esmero.
 E a cachorrinha apenas observava e esperava. ''Quem sabe resolvam me dar um pedacinho?"
 Ascendemos velas e a filha quis arrumar a mesa. Está pegando gosto por essas coisas? Que bom!
Escondida tirei foto dela, distraída ainda de avental. Ele era tão bonito, em linhão. Por que não ir também à mesa?
Nada de exageros, de horas de forno, de esposa cansada e descabelada. Mas tudo tem que ser gostoso, bonito e prazeroso. E até breve.

22 de agosto de 2016

Guardanapo puro linho

(para mesa de chá ou coquetel)

" Eu sei que não sou nada...

...e que talvez nunca tenha tudo

Aparte isso...

Eu tenho em mim...

...todos os sonhos do mundo..." Fernando Pessoa


    
 Guardanapo para mesa de chá (ou coquetel) puro linho, com renda nas bordas. Um sonho.

19 de agosto de 2016

A Ângela e seus aventais

E quando ela chegou na aula dizendo que havia feito avental em plástico eu...

- Hum... de plástico? Não foi isso que ensinei.

Ela acabara de aprender a fazer dois modelos aqui na aula, de tecido. Vi que levava jeito para as costuras. Soube comprar os tecidos - já é um bom começo. Soube combinar as estampas... 
Aqui os aventais feitos em aula: modelo curto
E como eu me divirto com a ela. Em cada aula temos um novo caso engraçado. Ela conta suas aventuras e eu as minhas. 
Tem um ótimo astral a Ângela. Sempre rindo. Às tardes das quintas-feiras, para poder dar uma fugida de casa, pede à tia para ficar com a mãe que sofre de Alzheimer. E vocês têm noção do que é cuidar de uma pessoa com essa doença? E ela teria motivos para ser assim tão pra cima, tão risonha,  otimista e produtiva? 
Voltando aos aventais...
... toda quinta ela dizia: "puxa, esqueci de trazer para você ver" E eu: "hum... entendi..." 

E na última quinta  ela me chega com 3 pacotinhos lindos, embalados em papel celofane. Dentro deles linda estampa. Parecia tecido. Ela disse: 
"Estão aqui os meus aventais de plástico. Trouxe para você dar uma olhada, professora. Já fiz vários por encomenda e estou com tantos outros para entregar!"
Oh! Oh" Estampas parisienses...
Estampa pin up
Examinei tudo, a frente e o verso...

... estampas de corujas (que não saiu na foto) e muitas outras que havia em seu celular. Apaixonei por todas. Tudo bem feito, com capricho, com bom gosto. 
Então, vocês já sabem onde encontrar esses aventais, não sabem?

 Mandem um WhatsApp para a Ângela. Mandem! 


10 de agosto de 2016

Momento Kid

Nos últimos dias de aula, em julho, convidei a Iara - aluna da quarta-feira - a trazer sua netinha, que já demonstrou se interessar por artesanato. Faríamos uma aula lúdica, com avó e neta. Planejei algo que a avó pudesse costurar ...

...e a neta, a Melissa, decorar

Antes da chegada das duas coloquei pão no forno. Essa receita é a mesma que já mostrei aqui, mas coloquei na forma de bolo inglês, assim:
 Saiu do forno, assim: oh, que grandão!
E foi para a mesa, com muitos ohs ohs de felicidade e agradecimento
Costurar é juntar, não só tecidos, mas afinidades...

Gosto de receber, de ensinar o que eu tenho de melhor: minha hospitalidade, meu amor por minha casinha, minha família. Não precisa ser rico. Não precisa saber  etiqueta. Não precisa saber colocar o garfo à esquerda e a faca à direita. É preciso ter amor.

Utilizo peças que amigas queridas me presenteiam... Combino cores porque quem costura pode se dar ao luxo de ter uma roupa de mesa de cada cor.
 Fiz bolo, de caixinha, que ficou delícia. Sempre faço algumas adaptações nessas massas já prontas. Nesse eu incluí canela e chocolate (cacau). Ficou com aspecto e sabor de brownie, crocante por fora, macio por dentro.
  Adoro
 E assim mais uma página foi escrita, tanto na minha vida, quanto da Melissa e da Iara.

3 de agosto de 2016

Ver e saber olhar

Voltei às aulas com a agenda completa e a cidade de Belo Horizonte toda florida.
Deixei São Paulo com o tempo bem frio, carregado de nuvens
Voltei sozinha para cumprir a agenda das aulas porque sou mulher de palavra. O resto da família passa muito bem sem mim. Ingratos
Adoro o frio, vivo reclamando que aqui em Belo Horizonte não faz frio o suficiente para usar casaco e bota. Mas, olha, quer saber? Frio é bom mesmo quando estamos em férias, PASSEANDO, saindo para jantar fora embrulhada em lindos cachecóis. Mas lavar banheiro, lavar roupa e louça - que foi o que fiz nas férias em São Paulo - ah, nem pensar. Todo dia praguejava o frio. Nada é perfeito.

Vi ipês, abundantes em flores, em toda São Paulo. E me dá uma raiva quando ouço alguém falar que São Paulo é uma cidade feia, sem verde. Como assim? Certamente é gente que não sabe ver. Qualquer dia saio com máquina à tiracolo fotografando todas as belezas naturais que a minha querida cidade tem.

E quando chego em Belo Horizonte, o que vejo? Mais ipês. Essas fotos são da temporada passada.
 Mas tão efêmeros, basta apenas um sopro do vento para que tudo vá para o chão...

 Mas enquanto eles reinam, absolutos, nos parques e praças, aqui ou ali, que saibamos olhar para poder ver. Por favor!